Busquem o equilíbrio

Eu vejo, há tempos, muitos ‘conservadores’ e pessoas ligadas aos mais diversos estratos de pensamento religioso e de valores mais profundamente arraigados na Tradição com uma grande polarização na ‘pureza’. São pessoas que não viveram nada da vida e, por medo ou por incapacidade, adotaram tais filosofias mais conservadoras como uma fuga para não enfrentarem o mundo de frente.

Vários grandes homens foram pecadores vexaminosos no passado, isto é inegável. São Francisco de Assis teve uma juventude excessivamente mundana e depois virou um grande santo, extremamente importante ao catolicismo. Musashi idem, era um vagabundo que matava viajantes até se tornar o lendário samurai (por mais que muitos digam que ele teria continuado um homem raso e suas histórias não passariam de lendas/romantização). O poder de conversão daqueles que caíram nas armadilhas do mundano é extremamente forte e uma prova que o Universo é misericordioso para aqueles de coração puro e que estavam perdidos. São filhos pródigos voltando para casa depois de grandes provações.

Os que tiveram ou têm uma vida sem exageros ou decaídas não devem se entregar ao orgulho disso, mas pensarem, com sinceridade, no fundo de vossos corações, se seus Caminhos não estão sendo escolhidos por medo ao invés de verdadeira devoção. Se a Fé que possuem não é uma fé confortável, construída em bons quartos, belos livros e carinho familiar – porque esta Fé muitas vezes é fraca, falsa e pueril.

Examinem em vocês mesmos, aqueles que se consideram donos de uma vida correta, se a retidão não foi por covardia ao invés de coragem.

Porque ao contrário do que vocês pensam, o importante não é ser Perfeito: é desejar servir ao Universo com a mais absoluta convicção e sinceridade. É o viciado que todos os dias olha o seu vício e não se entrega, é o vagabundo que todos os dias se levanta, vence a preguiça que o acometeu tantos anos e vai à luta, é a mãe que era uma vagabunda irresponsável e hoje cria os filhos com afinco, zelo e todo cuidado do mundo.

Às vezes é no real fogo do pecado que se forjam os mais leais servos do Bem. Por que? Porque eles conheceram o Mal de perto pelas suas próprias fraquezas.

Pensem nisso, antes que suas vidas sejam feitas de pura pompa e não de real martírio em prol do Bem. Porque só podemos provar que realmente somos algo em frente à provações. O servo só se mostra leal quando é lhe dada uma boa oportunidade de trair. Vocês só se mostrarão bons quando o Mal os tentar e vocês continuarem seus Caminhos de integridade e retidão. Não no Facebook. Não em um grupinho no Skype. Não em vossas casas, protegidos pelo amor dos seus queridos. Mas no Mundo.

E torçam para que, quando a desgraça, a miséria, a fome e a dificuldade chegar, vocês não blasfemem e se entreguem ao Mal, porque será pior do que o pecador que, depois de uma vida toda de ignorância, se arrepende e TENTA ser bom.

Pois é no orgulho que jaz todo o perigo.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s